Incomunicabilidade

Arquivo para a tag “Cinema”

Palavra de Ordem

Estive escrevendo a um certo rapaz dia desses. Falávamos de tudo: cinema, música boa, cinema, amigos, farra, tattoos, piercings, cinema, cem anos de solidão e como odiamos romances açucarados. Escrevê-lo é um ofício que consome mais do que algumas horas de sono. Escrevê-lo com o que houver à mão é a palavra de ordem.

Olhar Cinema, Cinema Olhar*

Que poderia ser o cinema se não um olhar ante os mundos, ante os seres, ante os afetos, ante as realidades, ante as imagens, ante as vidas?

Esse olhar cinema/cinema olhar não se traduz numa visão corriqueira. É, antes de tudo, uma experiência de corpos inteiros – não apenas dos sentidos responsáveis pela visão, audição e fala –, de mentes, de paixões. É reflexão, análise. É invenção, é reinvenção. É imaginação, é tradução de mundos. É a imagem que fica, que assume vida na arte. É questionar, é transgredir. É libertar, é inquietar. É fazer, realizar. É apreciar, é amar.

E é justamente essa falta de um cinema olhar/olhar cinema – ou em palavras mais duras, a abundância de um cinema consumo – na generalidade da grande indústria cinematográfica que preocupa. Assumindo os fluxos do capitalismo mais que desenfreado, o “cinema consumo” acaba por moldar-se a partir de uma lógica rápida e superficial. Não é preciso mais ver o filme: os grandes blockbusters de hoje tornam-se sucessos antes mesmo de serem vistos.

De um lado, há a realização de um cinema que busca o efeito antes mesmo da imagem, que movimenta bilhões e bilhões, mas que não consegue carregar movimentos de outros corpos que não sejam vazios ou cheios demais. Doutro lado, uma audiência meio que despreocupada, acrítica, que assiste ao filme sem assistir, desapaixonada pelo diálogo, mas certamente “apaixonada” pelo hype de alguma “estrela” ou produto, que pouco dá significação ao debate e à profusão de ideias na tela, e que cede facilmente aos estereótipos, aos fetiches e às parafernálias ambulantes de desperdício tecnológico.

Mas tratar desse assunto não é nada fácil e as coisas não são tão claras. Há um perigo enorme em separar cinema de arte e cinema de consumo – essa dicotomia o próprio sistema político-econômico-social trata de alimentar. Ora, todo fazer cinema não seria um fazer arte? Ora, todo ver cinema não seria um exercício de apreciação artística? Então, poderia um cinema que não fosse arte?

A discussão talvez seja inesgotável. Mas o intuito não é responder a essas questões e sim, entendê-las para trazer a problemática do olhar profundo e do olhar superficial ante o cinema.

Vejamos, em grande parte das vezes, o olhar crítico cinematográfico se restringe à figura do cinéfilo. Quase não se vê um olhar além daquele espectador esporádico ambientado em cinemas de shoppings centers (quase absolutos na maioria das cidades). Mais que isso, o “ver sem ver”: cinemas lotados, porém barulhentos, repletos de espectadores distraídos. E então o cinema – como os concertos e outros tantos ambientes artísticos – acaba por significar um local de “rituais sociais e de consumo”, onde o filme é elemento secundário, pano de fundo, e não objeto do olhar. Há a fetichização, a idolatria levada à tela, a bilheteria garantida antes mesmo de o filme ser realizado. Quer ver? É só criar um produto ou ídolo que seja capaz de lançar moda. Associe-o ao filme e pronto. “Sucesso” garantido. Mas cinema não é publicidade.

Alternativas à lógica dos cinemas de shoppings centers existem, mas ainda são poucas. O problema, como já mencionado, é que o público ainda é pequeno – não raro, quase em sua totalidade composto por cinéfilos apaixonados – e o incentivo é menor ainda.

Fazer cinema apesar de um sistema excludente e ganancioso, ver cinema apesar de nos furtarem os olhos.

Diante de todas essas problematizações e fraturas do modo de ver o cinema contemporâneo – num piscar de olhos –, surgem duas máximas possíveis, nos pólos da “questão do cinema de consumo”. Num pólo, há o “cinema de frivolidades”, onde o mais-do-mesmo reina. Noutro pólo, o cinema superproduzido, onde a técnica ultrapassa limites até então utópicos, mas não consegue potencializar os significados e justificar os argumentos. Cinema não é comercial de margarina nem ringue de luta de robôs. Cinema é Cinema, tem de ser Cinema.

Sob outra perspectiva, o problema também não se reduz. Amiúde há, nesse tal cinema comercial, o esvaziamento dos corpos: rostos e corpos belos o suficiente para criarem a ilusão de perfeição, mas que não conseguem se traduzir em imagens, nem evocar afetos reais, nem expressar, nem ao menos provocar. E ainda uma outra possibilidade, também não rara, de um cinema que se diz problematizante e grande a todo o momento: rostos e corpos cheios demais, personagens transbordando de dramas psicológicos complexos e arrojados, mas que não conseguem fugir da superficialidade de seus mundinhos idílicos e impenetráveis.

Um cinema pressentido, ressentido, não sentido. É essa a face anêmica do “cinema comercial”: ver um filme é olhar de relance. Falta vitalidade, falta potência, falta vontade. Sobra auto-intitulação, estrelismos e pedestais. Falta diálogo, falta crítica, falta ideia. Falta afeto, sobra fanatismo. Para fugir do cinema de superfície, esforços para além do mundo cinematográfico são necessários, são imprescindíveis novas formas de ver o mundo, de criá-lo e recriá-lo, não só no que tangencia as artes, mas também as economias, as políticas e as relações humanas.

Se falta arte na vida é porque falta vida na arte. Significar e ressignificar o cinema é preciso, para que todo filme seja um filme vivo, profundo, reflexivo, crítico e liberto, capaz de provocar emoções verdadeiras, sejam elas de ódio ou amor à obra. Antes de tudo, antes de ser bom ou ruim, é necessário que o filme seja capaz de se fazer sentir, de se fazer olhar.

—-

*A temática do olhar sobre as coisas já foi trabalhada neste blogue em outro artigo. Peço desculpas à/ao car@ leitor@ se me tornar pedante e/ou repetitiva.   

>Dez Minutos Mais Velho

>

  
  O que é o tempo? Essa indagação carrega outra. Como poderíamos precisar a definição de tempo sem nos perguntar como o vemos? O conceito de tempo esbarra na nossa significação do mesmo. Se não esbarrar, o conceito possivelmente é raso, impessoal.
  Dez Minutos mais Velho (Ten Minutes Older), projeto concebido por Nicolas McClintock, é uma película que reúne vários curtas de diversos diretores, onde cada um apresenta suas impressões sobre o tempo. Melhor dizendo, suas visões sobre o tempo. Quinze diretores participam, sendo sete no primeiro (The Trumpet) e oito no segundo (The Cello).
  Apesar de estarem ligados por um mesmo tema, os curtas exploram várias direções. Embora apresentem apenas dez minutos de duração, permitem ao espectador um olhar mais demorado. No geral, são belas produções que conseguem traçar distintos caminhos sobre um mesmo tema. Cada um tem suas particularidades, as fotografias são bem diferentes umas das outras, o enfoque não é o mesmo, as construções são bastante diferenciadas. Isso é muito interessante. A cada dez minutos, uma nova descoberta para o espectador.
  Segundo Gabriel García Marquez, um conto ou anda ou desanda. Penso que isso acontece com os curtas. Ou andam ou desandam. Nos longas, como o tempo é maior, uma desviada de atenção pode não comprometer. Mas se o curta destoa em algum momento, é bem provável que ele desande. Observei isso – tenho que ressaltar que é uma opinião pessoal – em um curta em especial. “Vers Nancy”, de Claire Denis, desanda não porque a proposta seja ruim ou que não tenha momentos bons (o final é interessantíssimo). Desanda porque se apresenta demasiado enfadonho e acaba cansando o espectador. Dez minutos parecem demorar muito mais. Outra façanha do tempo: ele parece não se importar muito com a nossa contagem.
  Com exceção do citado acima, os outros se mostraram muito bons, pelo menos sob minha ótica. Menções honrosas para Lifeline (Victor Erice), Ten Thousand Years Older (Werner Herzog) e 100 Flowers Hidden Deep (Chen Kaige) no The Trumpet e Histoire d’eaux (Bernardo Bertolucci), The Enlightenment (Volker Schlöndorff) e Dans le noir du temps (Jean Luc-Godard) no The Cello. Excelentes, surpreendentes.
  O que é o tempo? Não sei. Embora não tenha a pretensão de obter uma resposta, aprecio refletir sobre ele. E se essa reflexão acompanhar belas produções cinematográficas, fica muito melhor. Dez Minutos mais Velho é uma ótima companhia.

>Inverso…

>

Curiosamente, minhas trilhas sonoras prediletas – Into the Wild(Na Natureza Selvagem) e Diários de Motocicleta – foram ouvidas antes que eu assistisse aos respectivos filmes. Bem antes, questão de anos.
Porque eu demorei tanto tempo para assistir aos filmes se tinha gostado tanto da trilha sonora? Eu não sei. O que eu sei é que foi interessante ver como a música “se encaixava” em cada cena, como complementava “a atmosfera” do filme, como catalisava as emoções, como se integrava à fotografia… “Conhecer ao inverso” me oportunizou um olhar diferente, o sabor de conhecer novamente o já bastante conhecido. As trilhas trouxeram mais beleza aos filmes, e principalmente, sensibilizaram esse inquieto coração que vos escreve. 
As produções se tangenciam no ponto em que se mostram – pelo menos aos meus olhos – como buscas… Buscas pela verdade, pela liberdade, pelo conhecer, pelo vivenciar. Cada uma apresenta-se a seu modo, obviamente. Mas no fundo, os espectadores que se sensibilizam, o fazem pelo mesmo motivo, porque suas vidas também são cheias de buscas ou desejos de buscas e os filmes parecem acender questionamentos e identificações pessoais.
Essa “aproximação” que as películas permitem com os que assistem ocorre porque os enredos não se desenrolam com distanciamento, poderia ser qualquer um de nós naquelas situações. Claro que há os floreios cinematográficos, mas o que “chega”, o que marca, o que fica em que assiste são impressões humanas, reais. De fato, foram baseadas em fatos reais, mas se não fossem, não importaria, “chegaria” do mesmo jeito. Ouso dizer que se você assiste sem esse conhecimento prévio de que são produções baseadas em escritos de experiências de certos “alguéns”, não pensaria nesse aspecto.
Não sei se isso ocorreu a mais alguém, mas acabo relacionando esses filmes à reflexão da vagueza de certos conceitos arraigados em nós. Liberdade, justiça, sensatez, sucessos, obrigações, progressos, certos, errados, bons, maus… Isso tudo é facilmente moldado pelas morais e inclinado para interpretação mais confortável, não para todas as pessoas, mas para manter intactas as vestes superficiais do jogo de interesses que chamamos de sistema social. Acabamos criando uma “consciência de rebanho” ao aceitarmos essa cadeia de contradições que nos é imposta e nos distanciando das relações humanas, da natureza, da memória viva. Acredite, o simples conhecer pessoas, lugares e histórias nos afasta dos artificialismos e nos faz sentir mais próximos de nós mesmos e de tudo o que nos cerca. 
Para completar, os filmes possuem ambientações belíssimas. Da Natureza Selvagem de Into The Wild à vasta e maravilhosa “América Latina que não é mostrada nos livros”de Diários de Motocicleta. Não poderia deixar de citar esse aspecto, mas não tenho muito a falar dele, é melhor que vejam…
No mais, só dois belos filmes somados à deliciosas trilhas sonoras que lembram que nosso sangue corre em veias e não em fibras óticas. 
Sabe aquela estória de não se julgar um livro pela capa? Acho que isso não se aplica aqui… Podem julgar esses filmes pela trilha sonora…

Navegação de Posts